Infectologista da Unicamp coloca Brasil como novo epicentro mundial da pandemia de covid-19

Matéria da repórter Rose Guglielminetti.

Professora da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), a médica infectologista Raquel Stucchi acredita que o Brasil é o novo epicentro mundial da covid-19. Em entrevista ao programa Bastidores do Poder, da Rádio Bandeirantes de Campinas e TV Band Mais, Raquel disse que a conclusão se dá com base em dados e números apresentados pelo próprio Ministério da Saúde. Ontem, terça-feira (05/05), esses números apontavam 114.715 infectados e 7.921 óbitos no País.

A tese mostrando que o Brasil era o epicentro mundial da doença começou a ser divulgada ontem, embasada em um estudo realizado por pesquisadores brasileiros independentes e voluntários. A partir de um levantamento com data final em 4 de maio, o grupo estimou que o país, naquele dia, tinha entre 1,3 milhão e 2 milhões de casos confirmados da doença, mais do que o registrado nos Estados Unidos, atual epicentro, com mais de 1,2 milhão de casos, segundo monitoramento da universidade norte-americana John Hopkins. Já o número de mortos pelo coronavírus estaria entre 10 mil e 12 mil.

Para chegar à estimativa, os pesquisadores, que apresentaram os estudos no Portal Covid-19, usaram modelos matemáticos que têm como base a Taxa de Letalidade da Coreia do Sul, um dos poucos países que tem conseguido realizar testes em massa – o que sugere que o índice seja mais próximo do real. A Taxa de Letalidade dos Casos é ainda ajustada a partir de um deslocamento temporal entre o registro de óbitos e a confirmação de casos.

Diante da gravidade do quadro, a professora defende que os municípios que têm 90% das (Unidades de Terapia Intensiva) UTIs ocupadas, como é o caso das cidades de São Paulo e Rio de Janeiro, em vez de pensar na flexibilização da quarentena, terão de adotar medidas mais duras de isolamento para preservar vidas. Nos outros municípios, ela entende que a crise econômica se sobrepõe, forçando o relaxamento por o Estado não ter as condições de países da Europa e Ásia para obrigar a permanência em casa dos cidadãos.

Raquel alerta que a situação do Brasil é diferente da dos Estados Unidos também, onde o alastramento da pandemia ficou restrito em grandes centros. No Brasil, de acordo com ela, a doença se espalhou por todo o território nacional, com um número grande de casos em área continental. A pesquisadora acredita que a explosão de casos nos vários cantos do País se deu porque a adesão à quarentena nesses locais ficou aquém do necessário e que a transmissão foi mais controlada onde os governos conseguiram manter taxa de isolamento maior ou anteciparam as medidas de contenção da pandemia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: