Advogado que pede “estado de defesa” foi expulso do MPF após espancar a esposa

Matéria da Revista Fórum na íntegra:

Promotores bolsonaristas entram com petição para instalação de Estado de Defesa e Intervenção Federal
Petição em nome do “MP Pró-Sociedade” é assinado pelo advogado Douglas Kirchner, que trabalha para os deputados bolsonaristas Filipe Barros e Chris Tonietto e foi expulso do MPF após espancar a esposa com a ajuda da pastora de sua igreja

A Associação Nacional MP Pró-Sociedade, que representa um grupo de promotores e procuradores bolsonaristas, deram entrada com uma petição na Presidência da República nesta terça-feira (16) pedindo a instalação do Estado de Defesa e a “possibilidade” de intervenção federal em estados “em que se constate a incorreta aplicação de recursos orçamentários” que teriam sido destinados pelo governo Jair Bolsonaro.

Anúncios

“Tal providência concentraria nas mãos da União a coordenação dos rumos da pandemia, evitando-se os equívocos e desencontros de muitas das medidas adotadas pelas demais unidades da Federação (as quais estão suprimindo direitos individuais indisponíveis), podendo o Governo Federal se valer até mesmo da ocupação e do uso temporário de bens e serviços públicos de outros entes federativos”, diz a justificativa da petição, que cita nominalmente o estado de São Paulo, governado por João Doria (PSDB).

Segundo a própria peça jurídica, o decreto de Estado de Defesa permite o Estado de Defesa teria como objetivo “preservar ou prontamente restabelecer, em locais restritos e determinados, a ordem pública ou a paz social ameaçadas por grave e iminente instabilidade institucional ou atingidas por calamidades de grandes proporções na natureza”.

Bolsonarista
A petição é assinada pelo advogado Douglas Ivanowski Bertelli Kirchner, que representa os deputados bolsonaristas Filipe Barros (PSL-PR) e Chris Tonietto (PSL-RJ) em pelo menos uma ação na Justiça.

Douglas Kirchner é ex-procurador e foi expulso do Ministério Público Federal (MPF) em 2016 após manter a esposa em cárcere privado, tê-la espancado e a agredido com golpes de cinto. Ele agiu junto com a pastora evangélica Eunice Batista Pitaluga, da Igreja Evangélica Hadar, em que o casal frequentava em Rondônia.

Anúncios

O crime teria ocorrido entre fevereiro e julho de 2014, quando a pastora, de acordo com as apurações, deu uma surra de cipó na esposa de Kirchner na presença dele. À época, Kirchner foi defendido pela então advogada Janaína Paschoal, atual deputada estadual do PSL em São Paulo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: