Como os cientistas criam a melhor dieta para os astronautas?

Para viagens espaciais saudáveis, os cientistas devem tornar as refeições compactas, nutritivas e duradouras. 

No espaço, onde os astronautas enfrentam mudanças físicas e ambientais drásticas, a necessidade de alimentos seguros, nutritivos e carregados de energia é vital para a saúde. Para aqueles que viajam para mais longe do suprimento de alimentos da Terra, é particularmente desafiador produzir, transportar e preparar alimentos saudáveis. Além de fornecer energia e nutrição, as refeições espaciais devem ser pelo menos saborosas e permanecer seguras para consumo por meses – ou até anos.

Temos equipes que precisam ter um bom desempenho e ser saudáveis ​​nesses níveis extremamente altos para situações de estresse extremamente alto”, disse Grace Douglas, cientista-chefe do grupo de pesquisa Advanced Food Technology da NASA no Johnson Space Center. “A comida afeta todos os aspectos da fisiologia e pode torná-lo muito saudável ou muito doente”. 

Atendendo às necessidades nutricionais

Acima de tudo, a comida espacial deve fornecer energia adequada para abastecer os astronautas em suas missões, de acordo com a NASA. Sem uma ingestão calórica suficiente (que excede as necessidades terrenas e varia entre cerca de 2.700 a 3.700 calorias diárias), os astronautas correm o risco de perder massa corporal – um marcador-chave da nutrição. Historicamente, os astronautas consumiram apenas 60% de suas calorias recomendadas durante as missões espaciais. Dados de missões mais recentes, entretanto, mostram que mais viajantes espaciais estão comendo o suficiente e, portanto, são mais propensos a aumentar seus níveis de nutrientes.

Assim como na Terra, a falta de certas vitaminas e nutrientes pode ser prejudicial à saúde de uma pessoa, incluindo o coração, o cérebro e o sistema imunológico. Em ambientes de microgravidade, uma nutrição adequada pode combater a degradação resultante dos ossos e músculos. Por exemplo, as vitaminas D, K e C auxiliam na síntese do cálcio nos ossos. Quando combinados com exercícios, eles ajudam os astronautas a reter a força óssea e muscular contra os efeitos deletérios da microgravidade.

Enquanto isso, suplementos dietéticos como ferro, ácidos graxos ômega 3 e B12 podem compensar as deficiências dietéticas e diminuir a deterioração induzida pela microgravidade da visão, massa muscular e níveis de oxigênio no sangue. “Em geral, se é bom para você na Terra, será bom para você em voos espaciais”, diz Grace Douglas.

Depois de décadas de estudos nutricionais e avanços na tecnologia de alimentos, a NASA mudou o foco dos suplementos e fórmulas dietéticas para fornecer o máximo possível de nutrientes de frutas e vegetais. Alimentos derivados de uma variedade de fontes naturais podem fornecer uma variedade de fitoquímicos – ou compostos biologicamente ativos – que você não pode obter com suplementos dietéticos.

Pode ser difícil confiar fortemente em frutas e vegetais como fonte de alimento espacial porque, embora possam ser embalados com nutrientes, eles não contêm muitas calorias. Isso representa um problema para o vôo espacial, onde o espaço de carga é precioso.

Para levar os alimentos a uma massa aceitável e aumentar sua vida útil, a equipe de sistemas de alimentos da NASA usa tecnologia como liofilização e esterilização térmica em retorta – um processo comumente usado na indústria de enlatados para esterilizar alimentos aquecendo-os depois de embalados. Isso ajuda a conservar os alimentos e reduz seu volume. As equipes então o armazenam no veículo espacial dentro de uma embalagem flexível e leve.

A psicologia das refeições espaciais

No entanto, a NASA não deve considerar apenas o valor nutricional ao projetar alimentos espaciais. Apesar das concepções comuns, os astronautas não comem algo que lhes seja oferecido apenas porque é seguro e nutritivo, diz Grace Douglas.

Em vez disso, a NASA pretende oferecer aos astronautas várias opções de refeições para evitar a fadiga do menu. Essa variedade também oferece benefícios psicológicos à saúde. “A comida se torna mais importante com a duração da missão, isolamento e confinamento porque é uma das únicas coisas familiares que eles têm”, diz Grace Douglas.

Preparando-se para a próxima missão

À medida que as organizações espaciais buscam missões de longa duração, como enviar pessoas a Marte e estabelecer uma presença sustentável na Lua, será fundamental criar uma fonte de alimento que não exija missões de reabastecimento.

Para conseguir isso, os cientistas da NASA estão estudando as melhores maneiras de cultivar safras em microgravidade. Na Estação Espacial Internacional, os astronautas cultivaram com sucesso uma variedade de folhas verdes e flores no Sistema de Produção de Vegetais, conhecido como Vegetal. À medida que os pesquisadores continuam a desenvolver técnicas de agricultura espacial seguras e eficazes, os produtos frescos podem servir tanto como uma fonte alimentar sustentável quanto um suplemento altamente nutritivo para seus alimentos embalados. E comer uma folha verde fresca, em vez de uma reidratada de uma bolsa metálica, pode ajudá-los a se sentirem conectados com o planeta verde distante que eles chamam de lar.

*Com informações de Astronomy Magazine.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: